Me pega de jeito! – Parte 2

Posted by Pimentinha in Dicas, Lubrificantes, PepperBox, Sexo, Sexo Oral on 28-05-2012

Tags:

Há poucos dias conversamos um pouco sobre homens muito vaidosos ou muito recatados e travados, com grande dificuldade em desenvolver uma boa pegada e, consequentemente, excitar uma mulher (homens sem pegada).

Hoje quero falar um pouco da pegada feminina.
Sim, porque não basta ter uma bunda gostosa ou um par de seios lindos. Mulher também tem que saber conquistar, tem que ter o famoso “Sex Appeal”, ou simplesmente “a pegada”.

Muitas mulheres por aí deviam ser processadas por propaganda enganosa. Lindas, corpo malhado, silicone turbinado nos 300ml, bundinha empinada, cabelo impecável, roupas lindas, lingeries deslumbrantes e que na hora da cama broxa qualquer garanhão.

Verdadeiras barbies que se transformam em algo bem parecido a uma boneca inflável na hora do sexo, só que com frescura.

O sexo com elas não rola solto. É cheio de travas, exigências, proibições e, é claro, nojinho.

O tipo de mulher que pega pinto com guardanapo.

Linda, mas dá um soninho...

Gostosas, vamos ser realistas. Sexo é instinto, é prazer. Se sentir ofendida com uma pegada mais forte ou com palavras sacanas ditas em seu ouvido não vai te levar a nada.

E meninas, peguem no pinto do seu parceiro COM VONTADE, ele não é de cristal. Pode pegar com firmeza, com tesão, não vai quebrar (com bom senso, é claro).

Sabem aqueles cremes e óleos gostosos que são enviados na PepperBox? Então… lambuze seu parceiro, use esse sentido tão precioso que é o tato.
Um homem percebe a diferença entre uma pegada comedida de uma com vontade. E cá entre nós, um pinto ereto em nossas mãos é extremamente excitante…inclusive muitos cremes são para esse propósito, retardam a ejaculação. Lubrificante e retardante num só produto, garantia de um sexo longo e gostoso…

Outro tabu que gera uma grande trava nesse tipo de mulher é o sexo oral.
Uma verdadeira tortura para muitas mulheres, um pesadelo. Muitas morrem de medo e rezam para o parceiro não pedir. Se sentem incomodadas, engasgadas, sentem dor na mandíbula, se cansam e sentem nojo.

Novamente o fator VONTADE é o grande diferencial. Tem que saber fazer, senão vira sessão de tortura mesmo. O sexo oral vai além de tentar engolir o pinto do seu parceiro como louca.

Uma mulher que gosta de fazer um bom sexo oral no parceiro o faz sem pressa, sem nojo. Não sente incômodo ou dor. Faz com tesão.

Como dica para entrar no clima e curtir o sexo oral como nunca é usar e abusar dos cremes e óleos também, mas daqueles com gostinhos diversos. Dê beijinhos, lambidinhas, mordidinhas de leve, curta cada centímetro do rapaz sem pressa.

Essa faz com vontade, com pegada!

E por último, e não menos importante: varie, ouse, proponha novas fantasias e novas posições, sem travas ou pudores. Vale acender a luz, fotografar, filmar, assistir cenas de sexo bem quentes com seu amor…

Você também tem que se divertir tanto quanto ele na cama, sempre com respeito e prazer A DOIS (com acessórios eróticos ou sem).

E meninas, sem nojo do sêmen do rapaz. Fluidos sexuais fazem parte da brincadeira e são naturais. Só se lembrem de praticar sexo seguro SEMPRE.

Beijos apimentados e cheios de pegada!

Pimentinha

Ensinamentos de um pinto!

Posted by Pimentinha in Comportamento, Sexo on 25-05-2012

Tags:

Gostosos de plantão,

Gosto muito desse texto do Dr  Frederico Mattos!

O que um pinto pode ensinar sobre as mulheres: Clique aqui!

Aproveitem e adicionem aqui!

Beijos apimentados!

Pimentinha

 

Cine Sado: A secretária

Posted by FadaDoDoce in BDSM, Dominação on 24-05-2012

Tags: , , ,

Cine Sado: A Secretária

Ela tem um noivo bonzinho, mas ele é bonzinho demais: quer casar, ter filhos e uma casa com cerca branca.
A primeira vista isso pode parecer tudo o que uma jovem que acabou de sair do sanatório pode querer para o futuro: uma vida tranquila e pacata
Mesmo em sua confusão mental, de alguma forma ela sabe que o que o noivo baunilha lhe oferece não é o que deseja, o que realmente a fará feliz ela só vai descobrir quando conhecer seu novo chefe.

Aii aiii …e esse patrão viu…..suspiro todas as vezes que lembro dele, em primeiro lugar porque é advogado, além de muito charmoso e o melhor de tudo: dominador.

Alguma vez já se imaginou ser possuída presa por cordas à uma árvore num campo aberto?
Pois é, as chances disso acontecer com um baunilha são praticamente nulas.

O filme tem cenas pra lá de excitantes sem dúvida alguma. E apesar de parecer um tanto incoerente para a temática BDSM tem cenas também recheadas de romantismo, isso é claro se você assistir ao filme sem preconceitos, sair um pouquinho que seja da equação e conseguir enxergar todo o erotismo e romantismo que pode existir em levar umas palmadas no meio do expediente.

Apesar disso, o que mais me encanta nisso tudo não são as cenas mais picantes ou as referências às práticas que aprecio.

É incrível perceber a evolução pela qual ela passa no decorrer da trama e na minha opinião é justamente nisso que está o verdadeiro sentido de ser submissa: alcançar equilíbrio! Evoluir a medida em que se entrega e isso é perfeitamente nítido: a jovem, antes desengonçada e porque não dizer desequilibrada mentalmente ao se entregar passa a ser confiante, segura e muitooo sexy.

Tenho certeza que muita gente que ainda não descobriu seu lado submissa ou dominador sentirá fagulhas de tesão dar umas cutucadinhas.

O trailer você pode ver aqui

Mas nesse (apesar da música chatinha) as cenas são mais interessantes:

Enjoy people rs

Me pega de jeito! – Parte 1

Posted by Pimentinha in Comportamento, Dicas, PepperBox, Sexo on 23-05-2012

Tags:

Por esses dias me peguei pensando sobre essa tal “pegada” que tanto falam por aí.

Me pega forte

Muitos rapazes buscam o sucesso com a mulherada cuidando da aparência, se vestindo bem, indo para a academia, alinhando o visual.
É claro que tudo isso é importante, mas, somente esses cuidados bastam para atrair a atenção e o desejo feminino?

O cara pode ser lindo, ter olhos verdes, ter um corpão, estar sempre bem vestido… se ele não tiver a tal pegada de nada adiantará todo esse esforço.

Aí fica claro que a pegada está pouco (ou nada) relacionada com a aparência e muito mais relacionada a atitude do homem na hora do amasso, do sexo, e também muito além dali.

Canso de ouvir relatos de amigas que saem desfilando com modelinhos, mas que confessam que na hora do “vamos ver” os lindinhos se mostram uns verdadeiros fiascos sexuais.

Isso porque esse tipo de rapaz normalmente é excessivamente preocupado com a sua performance e aparência, e segue um verdadeiro script do sexo, tornando a coisa toda previsível, fria e calculada.
A impressão que se tem é que o cara tem medo de desmanchar o cabelo, que ele quer esconder aquele pneuzinho, ou disfarçar o tamanho do pênis que ele julga ser pequeno, e por isso evita posições ou certos ambientes.

Não adianta fazer cara de sexy. Definitivamente você não tem pegada!

Outro fator que prejudica o homem em sua busca pela pegada ideal é a timidez. Ser tímido, com pudores e  receios na hora do sexo ou ser extremamente polido também acaba com qualquer clima quente.
A preocupação com o que a parceira vai pensar, o medo de ser criticado ou ir além dos limites estará sempre rondando a cama desse homem. E a preocupação é inimiga de uma boa pegada.
Imagine só a cena: “A Srta me permite introduzir meu órgão sexual em sua vagina, aproveitando o fato dele estar ereto?”. Definitivamente não combina com sexo e brocha qualquer mulher.

Sexo é ousadia, desejo em sua forma mais primitiva, daqueles que não se controla ou se planeja. Tem que rolar solto, cheio de desejo.

Um homem com pegada sabe conduzir o sexo com uma safadeza irresistível. Esse tipo de homem não tem a mão pesada, e sim firme.

Esse sim tem "A" pegada!

Ele vai querer te pegar pelos cabelos, te comer de quatro, vai falar muita sacanagem e usar as mãos e a boca como ninguém.
Esse homem vai fazer um sexo oral em você simplesmente fantástico curtindo cada gemido seu por prazer e não por obrigação ou para ganhar um boquete seu em troca.
Fazer com VONTADE. Aí é que está a diferença.

É o tipo de homem que se garante tanto que você pode propor à ele as mais loucas fantasias sexuais, propor brincadeiras com vibradores e outros acessórios deliciosos sem medo. O cara vai topar na mesma hora e curtir demais as novidades.

O bom disso tudo é que nós mulheres temos o dom de reconhecer esses tipos bem antes da cama, assim evitamos as decepções.
Um homem com pegada pode ser percebido pela sua maneira de agir, pelo modo que ele se impõe, pela forma que ele fala, na segurança e firmeza de seu toque. Tipo de homem que nos excita com um beijo, com uma mão na cintura, ou com um simples olhar safado. Aqueles capazes de te excitar com o seu cheiro, que provocam as mais loucas vontades na gente.

Depois dessas dicas só não vai ter pegada quem não quer, hein?

O próximo post será sobre a pegada feminina com dicas imperdíveis!

E para aquelas que querem aproveitar ao máximo a pegada do parceiro nesse dia dos namorados fica a dica: PepperBox Soft, Warm ou a Hot, para esquentar de vez o clima!

Beijos apimentados!

Pimentinha

Hipocrisia do cú

Posted by FredMattos in Comportamento, Dicas, Sexo, Sexo Anal on 19-05-2012

Tags: ,

Sabe que noto algo interessante no sexo, parecem que ainda existem áreas inexploradas para algumas pessoas. Algumas se inibem em movimentos, sons, ou posições como se tentassem preservar em si mesmas uma dose de pureza e castidade.

Até o Frodo estava protegendo o Anel do "Mal"

Quando a Sandy levantou a polêmica de que seria possível sentir prazer no sexo anal, algumas pessoas se alarmaram exaltadas porque uma menina como ela estava falando aquilo.

Pois é, tanta liberdade sexual e ainda vivemos a ditadura do cú. Preserva-se uma certa área do corpo (e porque não do nosso ser) para garantir que ainda há uma ponta de esperança, pureza ou virgindade.

Ouço mulheres sussurrarem quando falam de sexo anal. Nem estou falando daquelas que tentaram mais de uma vez com parceiros diferentes, táticas diversas e chegaram a conclusão que o custo-benefício não compensa.

Aqui o recado é para aquelas que põe a mão na boca como santas do pau oco para tratar de sexo.

Sei que sexo é uma coisa íntima, assim como sua conta bancária, mas do mesmo jeito que se fala de poupança, juros e aplicações financeiras poderia se falar de prazer, gozo e desejo sem muito pudor. E mais, ainda que não se queira falar, mas se recusar a fazer?

Essa semana me chegou aos ouvidos um relato de uma mulher que usa o cú como barganha do tipo (como uma mãe que aperta a bochecha rosada do filho): “se fizer a lição de casa direitinho você vai ter aquela posição que quer!”

Como assim?

A associação sexo/pecado com não sexo/pureza ainda está arraigada no inconsciente coletivo.

Então, o resquício que ainda restou de pureza depois que todo mundo já trepou, gozou e gemeu é o cú, para algumas ainda santo e inexplorado.

Por favor, se você, mulher inteligente, sensível e livre ainda se apega à pureza dê uma chance a si mesma para pelo menos experimentar e sentir um prazer diferente e libera…

Mamãe delícia!

Posted by Pimentinha in Dicas, PepperBox, Sexo on 11-05-2012

Tags:

Mãe de 6?! Delícia de mamãe!

Eis que a gravidez se anuncia e um turbilhão de emoções, sentimentos e diversas mudanças físicas e psicológicas chegam com tudo para o casal.
Depois de longos 9 meses de espera e ansiedade eis que ele chega, o tão esperado bebê! Muita alegria, comemorações, flores, mimos do companheiro e da família.
Uma nova e emocionante fase da vida da mulher se inicia.  E é nessa fase que a maioria das mães cometem um erro comum. Viram mães, e SOMENTE mães.

Sexo, prazer, orgasmo e libido são palavras riscadas do dicionário e trocadas por fraldas, amamentação, choro e insegurança.

O marido, apesar de agora ser papai, mantém seus desejos e libido, afinal, nenhuma mudança física passou por ali. E é aí que a crise e o ressentimento vem. Um desencontro de desejos tão forte e repentino que é capaz de acabar com a sintonia de qualquer casal, abalando o relacionamento, às vezes de forma irremediável.

E porque as coisas esfriam tanto quando chega o bebê? Como manter o prazer do sexo depois da maternidade? Como manter a libido em alta e a satisfação sexual do casal? Como evitar esse descompasso sexual?

Eu, Pimentinha Pepper trouxe algumas dicas para ajudá-los na adaptação do casal a essa nova fase da vida!

Dica 1 – Fator fisiológico: Provavelmente essa queda de libido está diretamente ligada as alterações hormonais que toda mulher sofre depois do parto. Cai cabelo, a mulher chora a toa, sente medo, e sim, perde TOTALMENTE a libido. Esses hormônios são terríveis!
Como sair dessa: Consulte seu ginecologista/obstetra. Ele saberá como te ajudar, com ou sem remédios dependendo, do seu caso.

Dica 2 – Fator Físico: Dia e noite cuidando de um bebê pode ser uma das causas. Sem dormir, sem se alimentar direito, amamentando… Enfim, o cansaço físico é grande, e nessas horas mil vezes uma boa soneca do que uma noite de sexo com seu marido. Fato.
Como sair dessa: Peça ajuda nas tarefas. Pra mãe, pra amiga, para o próprio marido. Divida o fardo. Sobrará tempo para o descanso e para você redescobrir o prazer com seu companheiro.

Dica 3 – Fator Emocional: É necessário que você entenda que ser mãe é apenas uma de suas subpersonalidades e que essa não pode e nem deve abafar as demais. Você não deixou de ser filha quando virou esposa, certo? Então…tem que abrir espaço pra mais essa, não substituir a faceta mulher pela faceta mãe. Se a gente não se cuida emocionalmente há o perigo de tomar como verdade que “mãe é um ser imaculado que não deve sentir prazer / fazer sexo, deve se dedicar somente aos filhos”.
Como sair dessa: Consulte um psicólogo pra te ajudar a lidar com essa nova subpersonalidade, que não pode e nem deve sufocar a mulher e seus respectivos desejos sexuais.

Dica 4 – Fator Estético: Se você valoriza a forma física esse pode estar sendo o motivo da inibição, que leva à falta de desejo sexual. Uma mulher se sentirá somente mãe enquanto olhar no espelho e saltar aos olhos a barriga pós parto. Isso sem falar dos seios, que antes eram voltados pro prazer e agora esguicham leite. Brinquedo interditado, território quase que exclusivo do bebê.
Como sair dessa: Malhar, cuidar do corpo, tratamentos estéticos…vale tudo pra voltar à “forma original” e se sentir melhor consigo. Invista em novas lingeries, cremes bem gostosos e torne-se irresistivelmente sensual e gostosa só para ele.

Dica 5 – Conselho:  Não se preocupe. Essa é uma situação comum e transitória. Não fique com medo de ficar frígida para sempre. Dê o tempo necessário para adaptação da mente e do corpo à nova condição e curta essa fase tão gostosa que é a maternidade, sem esquecer do maridão, claro!

E por falar nele, um homem sensível à todos esses fatores e a todas as mudanças físicas e emocionais que você está enfrentando ajuda. Se o homem não é compreensivo com toda essa situação, fica bem difícil.
As vezes a insensibilidade não é por mal, é por puro desconhecimento. Exponha tudo o que sente e sensibilize-o. Porque pra ele ser pai bastou uma ejaculação, bem mais simples do que pra gente, né?

Ahh! É claro que nessa redescoberta do prazer e da libido os brinquedos eróticos são poderosos aliados. Capazes de trazer de volta para cama do casal sensualidade e o desejo, da forma ardente e sedutora. A PepperBox está aí para isso, para apimentar o que já é quente ou para reaquecer o que está morninho quase frio! Não se preocupem!

Aproveitem as dicas e amem muito!

Beijos apimentados!

Pimentinha

A iniciação

Posted by FadaDoDoce in BDSM, Comportamento, Crônica Sexual, Dominação, Sexo on 02-05-2012

Tags: , ,

A iniciação

Caminhava decidida pelas ruas do centro enquanto relembrava todas as experiências que tinha vivido até aquele dia . Algumas excitantes, outras cômicas, mas, certamente, nada se compararia ao que estava preste a vivenciar. Naquela noite quente de verão, se iniciaria o treinamento.

Cheguei ao local combinado. Ainda havia movimento, pessoas passando apressadas para retornarem a suas casas ou, como eu, a irem se encontrar com seus desejos. Parei. Enquanto aguardava, fiquei a observar, buscando um pouco de distração. Tudo em vão. Meus pensamentos insistiam em tomar outro rumo, tudo me levava a lembrar o que estava preste a acontecer.

Ansiosa, aguardei mais alguns minutos e, mesmo antes de vê-lo, pude sentir sua presença, sua aproximação, tal como um imã a atrair-me. À medida que se aproximava, meu nervosismo foi sendo dissipado. Já ao meu lado, cumprimentou-me. Sorri discretamente. E por vontade, instinto ou natureza, toquei sua mão e levei-a ao encontro de meus lábios, beijando-a delicadamente.

Seguimos caminhando alguns minutos e logo chegamos no local.
Entramos. Fiquei parada no meio da sala, olhos baixos. Ele se aproximou, tocou meu queixo, fazendo-me erguer os olhos (por certo me percebeu receosa) e sussurrou-me ao ouvido: “vamos lá cadelinha…”
Sentou-se numa poltrona, acendeu um cigarro e, após algumas tragadas, ordenou que eu me despisse.

Ao ouvir tal ordem meu corpo estremeceu. Apesar de saber que isso é comum e também necessário, tive que vencer a timidez. Esse seria somente o primeiro desafio que teria que vencer nessa noite.

Nada dizia, apenas observava… Acredito que se divertia assistindo aquele duelo entre minha timidez e meu desejo. Continuou por alguns instantes me observando. Sentia meu rosto cada vez mais rubro, ao mesmo tempo em que tremia. Enfim, uma mistura de sensações, sensações inéditas e excitantes.

Depois de algum tempo, para mim longo e torturante, levantou-se, tocou meu ombro com a ponta dos dedos que deslizaram por meus seios até os mamilos. Suas mãos passaram a percorrer todo meu corpo, explorando-o. Sua presença, seu toque, a idéia de meu corpo lhe pertencer, a cada minuto tudo me excita cada vez mais e mais. Com uma das mãos segurou-me pelo pescoço e, com a outra, de uma maneira mais forte e libidinosa, minhas ancas…. Levou meu corpo para perto do seu e selou sua posse com um beijo.

Afastou-se. De soslaio, observei que retornou com alguns objetos. Entregou-me um deles para que eu o colocasse em meus tornozelos. Prendeu outro semelhante em meus pulsos.

Agora, aproxima-se novamente. Traz uma coleira em suas mãos. Meu corpo todo se arrepia. Volto meu olhar para o chão e, como uma cadelinha obediente e submissa, ergo meus cabelos e logo a sinto presa e justa ao meu pescoço. Sua mão desliza em torno da coleira, do meu pescoço. Sinto o cheiro e a aspereza do couro, que pela primeira vez toca minha pele.

Afasta-se. Senta-se novamente e com um sinal chama-me. Aproximo-me, ainda um tanto acanhada pela nudez. Não me diz nada, mas sei meu lugar. Ajoelho-me a seus pés. Sento-me sobre os calcanhares e submissa diante dele, mantenho meus olhos abaixados, assim como minha face.

Sua voz sai suave, profunda e rouca. Começa a dizer-me como espera que deva me comportar. Explica com seriedade, paciência. Fala-me do que lhe agrada, de seus desejos, da liturgia que terei que cumprir. Aos poucos, sua voz apazigua meus receios, descarta minha timidez. Já mal me dou conta que estou completamente despida. Ouço tudo com atenção e calada, procurando absorver todos os ensinamentos.

Depois de dito isto, fecha os olhos, respira fundo, abre os olhos e sorri. O mundo se reduz àquele instante e esta é uma imagem que sempre terei em minha mente. Eu de joelho aos seus pés e seu sorriso.

Descruza as pernas, afastando-as. O que vejo a minha frente é o meu espaço, um ninho onde desejo pousar meu corpo, meus desejos e minha alma. Com um gesto de seu olhar percebo que é ali que me quer. De joelhos aproximo-me. Estou entre suas pernas. O corpo, percebo que treme levemente. Não, não é mais medo ou timidez. É apenas o desejo desperto por estar assim tão próxima.
Próxima o bastante para sentir-lhe seus cheiro a preencher meu olfato. Próxima o bastante para sentir o calor que emana e que contraditoriamente me faz arrepiar.

Falou-me algo, mas não me dei conta, pois estava um tanto perdida em meus devaneios.

Sua mão segura meu queixo. Um pouco mais rispidamente do que antes o fez. E é isto que me faz perceber-me mais sua. Encolho-me. Não atrevo a dizer-lhe, pedir-lhe ou implorar para que repita a pergunta. Apenas abaixo os olhos, tentando desviar-me de seu olhar. Contudo, como um pássaro já entregue ao encanto da serpente, meu coração bate aflito, mas não devo e não desejo afastar-me.

Quando me dou conta, sua mão já estala em minha face. Ela queima, não só pela violência do tapa, mas, principalmente por vergonha de poder tê-lo decepcionado. Meus olhos marejam. Tento mostrar-lhe minha fortaleza, mas as lágrimas teimam, inudam e descem suavemente pela minha face.
Sua mão agora acaricia a pele quente. Seus dedos secam a face recém molhada. A outra mão afaga meus cabelos. Tenho vontade de implorar por sua desculpa, por seu perdão. Dizer-lhe que desejo ser, que sou sua cadelinha. Sua mão afaga meus cabelos, apertam minha nuca e faz com que me aproxime mais.

Estou entre suas pernas, sua mão a afagar-me como um bichinho que lhe é agradável. Então, por um minuto, deito minha cabeça em seu colo. Seu calor seca o que resta de minhas lágrimas.

Seu polegar pressiona minha nuca. Não me machuca, apenas faz com que fique atenta a quem pertenço, a quem devo saciar as vontades e desejos. Pressiona. Dança. Ritma. E eu entrego-me ao seu adestramento. Meu rosto se cadencia, segue o ritmo de seus dedos por sobre minha nuca. Fico ali inebriada a acariciar-lhe com meu rosto. Sua mão solta minha nuca, mas continuo. Sei que lhe agrado assim.

A boca saliva, meu corpo treme, arde. O cheiro de seu sexo e o contato com sua excitação me fazem gemer baixinho. Aproximo-me daquele ninho sedenta pela néctar que me alimenta como mulher e submissa.

Logo após, ordena que eu fique de quatro e, ao seus sinal, aproximo-me. Sua mãos percorrem minhas costas, acariciam meus cabelos, coxas, até alcançarem meu ventre. Seus dedos vasculham-me, tateiam o corpo que agora lhe é entregue. Mapeiam sua propriedade e sentem minha excitação, o prazer que me umidece e que começa a invadir meu ventre, minha alma. O prazer brotando, brotando da vergonha, da submissão, do respeito, do temor, do calor de suas mãos. Surpreendida, permaneço calada, mas sem conseguir conter a respiração que torna-se ofegante.

Entrego-me ao turbilhão de sensações que invadem meu ser neste instante. Retorno da minha viagem quando sinto suas mãos firmes segurando-me os cabelos e jogando-me sobre uma mesinha.

Prostrada sobre a mesa, afasta minhas pernas, apalpa com vigor meu sexo e penetra-me enquanto morde minha nuca, libertando meus gemidos. Gemo pelo prazer, gemo pela dor de ser invadida. Gemo por sentir seu falo quente a penetrar-me, rasgando minha carne

Sinto o prazer escorrer por minhas pernas, seu cheiro invadir o ambiente e logo evaporar-se no calor da noite e de nossos corpos.
Prestes a explodir em gozo, puxa-me pela nuca e aproxima seu rosto. Cerro os olhos, ordena que lhe olhe. Sou incapaz, o prazer naquele momento é tão intenso, inédito e visível em meus olhos que tenho receio de compartilhar tal sensação tão pecaminosa com aquele que me toma.

Com certa rispidez a mesma ordem chega agora com um vigoroso tapa em minha perna. Não aguardo o próximo. Olho em seus olhos e agora vejo o que deseja. Sei que seu desejo e meu dever é entregar-lhe meu gozo, o meu gozo que a partir desse instante lha pertence.

Depois de gozar intensamente, meus instintos me guiam. Submissa e entregue, aos seus pés, plena de corpo e alma, inclino-me e beijo amorosamente primeiro o chão por onde passou, depois seus pés.

E aos pés daquele a quem me entrego, sussuro agradecendo:

- Obrigada, meu Senhor !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...