O melhor orgão sexual

Posted by Pimentinha in Comportamento, Dicas, PepperBox, Sexo on 03-08-2012

Tags:

Nosso querido  Dr  Frederico Mattos desvenda com muito bom humor qual é o melhor orgão sexual do mundo!

Nãoooooo, não é o pinto….seria muito óbvio, não?

Clique aqui e descubra!

Aproveitem e adicionem aqui!

O que será que mais a excita?!

 

Beijos apimentados!

Pimentinha

 

Pau Amigo

Posted by Pimentinha in Comportamento, Dicas, PepperBox, Sexo, Sexo Seguro on 20-07-2012

Tags: , , ,

Esse dia do amigo me lembrou desse delicioso texto do nosso querido  Dr  Frederico Mattos!

Pau AmigoClique aqui!

Aproveitem e adicionem aqui!

 

Beijos apimentados!

Pimentinha

Casal que se boicota

Posted by FredMattos in Comportamento, Dicas on 03-06-2012

Tags: ,

Quando se pensa num casal falido a imagem que vem a mente é aquela mulher de bobs no cabelo e creme de pepino no rosto ao lado do marido barbudo com barriga caindo da calça e com meia furada.

Puro desleixo

Quando vão sair para o trabalho tomam o banho mais completo do mundo, se produzem (dentro do razoável) e estão prontos para o mundo.

Na fase de namoro somos impelidos a fazer esse tipo de agrado que vai desde paparicar a sogra, cuidar do corpo (e alimentação), passar perfume para encontrar a pessoa amada e sempre ter palavras delicadas ditas em tom ameno.

Fico me perguntando onde tanta gente bonita e interessante vai parar depois que casa. Aí o boicote mútuo inicia. É notório num restaurante identificar um casal que está recém junto de um que passou do prazo de 2 anos. As roupas são de arrepiar o cabelo, as caras abatidas, os olhares que fogem um do outro, o silêncio constrangido e aceleração para comer e ir embora.

Quando chegam em casa é um lamento, parece que o descuido piora, não precisam mais manter as aparências e esculhambam para valer. É de chorar.
Ele coloca a pior roupa, perde a compostura, peida, arrota, coça o saco, cheira a cera de ouvido tirada com o dedo mindinho, esquece do hálito, vira quase um javali andando pela casa.

Ela tampouco se preocupa com sua atitude, fica apática, resmunga o tempo todo, come que nem um bezerro desmamado, baixa o olhar, se enfurna na TV ou se ocupa loucamente dos filhos.

A desculpa clássica é falta de tempo e agilidade. A verdade é que eles não querem fazer um esforço básico, a intimidade os corrompeu numa aparente liberdade pobre. Nós nos amamos pelo que somos e não pelo que mostramos. Balela, ninguém gosta de gente desorganizada, fedida ou descuidada.

Antes eles eram esforçados por manter a saúde do corpo, da mente e do espírito. Isso alimentava um ciclo positivo de superação, de tesão de vivacidade.

Depois, a pretexto de se conhecerem nas minúcias passam a se tratar como gêmeos siameses. Me lembro de uma pessoa que falava com orgulho que a esposa fazia coco de porta aberta sem problema. Tempos depois soube que se separaram, pois ela perdeu o tesão nele. Porque será?
O amigo(a) do trabalho está sempre bonitinho, sorrindo e com cliclete de menta no bolso. O olhar está vivo, o ouvido atento e o coração aberto para qualquer impasse.

Porque relegar à pessoa amada o nosso pior em nome de uma autenticidade falsamente construida? Será que ela merece menos esforço de sua parte só porque já se sentem seguros de quem são e porque estão juntos.

Essa mentalidade só pode levar à lugares ruins.

Pior ainda quando eles tem receio de confrontar o outro com uma realidade dolorosa e acabam fingindo ou querendo acreditar que gostam do jeito ou má aparência do outro. Fazem isso para não magoar (a menos que tenham cegueira emocional), mas acabam deixando aquela pessoa entregue ao seu pior.

Existem maneiras bem afetuosos de dizer uma verdade difícil do tipo “andei notando que você tem se alimentado mal e estou preocupado, eu acho que não estou ajudando muito com esse monte de porcaria que compro no supermercado só pra te agradar, vou dar uma maneirada”.

Imagino o que deve acontecer com o guarda-roupa desse casal “modelo”. Conta para gente, Juliana…

Fred, é engraçado observar como as roupas caminham pelo guarda-roupa de algumas pessoas.

Elas entram ganhando destaque com a cara de material novo e as cores intactas, com o passar do tempo elas perdem as características que as levaram ao lugar mais disputado do armário. É nesta hora que começa a peregrinação.

A peça sai do favoritos e começa a migrar.

Eu sempre achei este movimento curioso. O critério que mais me intriga é o da escolha das peças que vão ser usadas na intimidade, seja sozinho ou em casal.

A minha vaidade não me permite estar toda destrambelhada pelo simples fato de não estar no trabalho. Mantenho a linha quando estou com amigos e familiares seja em local público ou não.

Nada tem a ver com rigidez ou com sacrifício de conforto. O que mais escuto de amigos e clientes é que eles querem estar confortáveis, como se a culpa pelo desconforto fosse da roupa e não da escolha equivocada no provador.

Uma crença forte que precisa ser quebrada é a de que conforto é inimigo de beleza. Boa notícia: Não é!!!

Conforto e alinhamento podem dar as mãos, basta escolher os tecidos e cortes corretos e surpresa! Você pode se aninhar na sua roupa ao invés de se digladiar.

Não há desculpa cabível para o desleixo na intimidade. Um casal tem que se tratar bem. Se arrumar para o outro é uma baita prova de amor. Desleixo é brochante, desnecessário e desestimulante. O cuidado com o visual, pelo contrário, é afrodisíaco. Cuide bem de si mesmo, né Fred?

Concordo com você, Ju, tudo entre um casal denuncia como é a atitude deles na vida. Muitos subestimam os pequenos detalhes, mas são eles que refletem o estado de espírito de ambos. Esse boicote entre o casal cria desconfortos silenciosos que resultam num término “inexplicável” e brigas “sem sentido”.

Agora dá pra entender porque muita gente anda infeliz quando se trata de relacionamento.

Ensinamentos de um pinto!

Posted by Pimentinha in Comportamento, Sexo on 25-05-2012

Tags:

Gostosos de plantão,

Gosto muito desse texto do Dr  Frederico Mattos!

O que um pinto pode ensinar sobre as mulheres: Clique aqui!

Aproveitem e adicionem aqui!

Beijos apimentados!

Pimentinha

 

Hipocrisia do cú

Posted by FredMattos in Comportamento, Dicas, Sexo, Sexo Anal on 19-05-2012

Tags: ,

Sabe que noto algo interessante no sexo, parecem que ainda existem áreas inexploradas para algumas pessoas. Algumas se inibem em movimentos, sons, ou posições como se tentassem preservar em si mesmas uma dose de pureza e castidade.

Até o Frodo estava protegendo o Anel do "Mal"

Quando a Sandy levantou a polêmica de que seria possível sentir prazer no sexo anal, algumas pessoas se alarmaram exaltadas porque uma menina como ela estava falando aquilo.

Pois é, tanta liberdade sexual e ainda vivemos a ditadura do cú. Preserva-se uma certa área do corpo (e porque não do nosso ser) para garantir que ainda há uma ponta de esperança, pureza ou virgindade.

Ouço mulheres sussurrarem quando falam de sexo anal. Nem estou falando daquelas que tentaram mais de uma vez com parceiros diferentes, táticas diversas e chegaram a conclusão que o custo-benefício não compensa.

Aqui o recado é para aquelas que põe a mão na boca como santas do pau oco para tratar de sexo.

Sei que sexo é uma coisa íntima, assim como sua conta bancária, mas do mesmo jeito que se fala de poupança, juros e aplicações financeiras poderia se falar de prazer, gozo e desejo sem muito pudor. E mais, ainda que não se queira falar, mas se recusar a fazer?

Essa semana me chegou aos ouvidos um relato de uma mulher que usa o cú como barganha do tipo (como uma mãe que aperta a bochecha rosada do filho): “se fizer a lição de casa direitinho você vai ter aquela posição que quer!”

Como assim?

A associação sexo/pecado com não sexo/pureza ainda está arraigada no inconsciente coletivo.

Então, o resquício que ainda restou de pureza depois que todo mundo já trepou, gozou e gemeu é o cú, para algumas ainda santo e inexplorado.

Por favor, se você, mulher inteligente, sensível e livre ainda se apega à pureza dê uma chance a si mesma para pelo menos experimentar e sentir um prazer diferente e libera…

O Fetiche da Enfermeira Tarada

Posted by FredMattos in Comportamento, Sexo on 21-04-2012

Tags: , , , ,

 

Vem que eu te cuido, meu bebê

Faça um exercício de reflexão sobre filmes pornográficos e fetiches de contos eróticos. A cena é clássica com suas variáveis.

Um homem está numa ocasião comum em casa, ou trabalhando honestamente e de repente ele é assaltado por uma mulher absurdamente gostosa e que se insinua para ele que constrangido a princípio resiste (por meia fração de segundo). Depois ele cede aos encantos daquela voluptuosidade toda, agarra a mulher e segue naquela história que todo mundo conhece, chupa a mulher (bem pouco), ela chupa ele longamente, depois começa a meteção interminável até ele gozar na cara dela.

Mas o ponto não é esse e sim a caracterização das personagens mulheres.

Enfermeiras zelosas, secretárias sérias, donas-de-casa insatisfeitas, governantas atribuladas, empregada inofensiva, madrastas danadinhas e inclusive, pasmem, mamães jovens carentes de sexo.

Como psicólogo provocador eu reduziria todas as imagens anteriores à uma versão mais ou menos diferenciada desta última. Traduzo: em última instância o cara quer ser iniciado pela mãe.

Isso pode soar bem freudiano ou psicanálise barata, mas não precisamos ir muito longe.

A enfermeira cuida do doente, a secretária cuida dos compromissos do chefe, a dona-de-casa cuida do lar, a governanta cuida do patrimonio, a empregada cuida da higiene da casa, enfim, todas cuidadoras que saem do seu papel e atacam sexualmente os homens.

É curioso como isso causa repugnância à princípio, afinal, quem em sã consciência iria querer transar com a mãe?

O ponto que nenhum homem assume é que a mãe, aceite ou não, é a primeira figura do sexo oposto que ele tem acesso corporalmente. Ela cuida e toca aquele lindo bebê com todo o amor e zelo do mundo, e isso é bem erótico, no sentido de eros, prazer sensorial e sensual. A mãe é a primeira mulher que um homem ama e esse registro fica marcado no seu inconsciente por muito tempo como um traço indelével.

O apelo inconsciente incitado na imagem da enfermeira é da mulher que deveria cuidar, mas que vai além do seu papel tradicional. Ela corrompe as convenções e segue no desejo proibido.

Concretamente não quero dizer que no fundo você quer agarrar aquela senhora de meia idade, um pouco acima do peso, na pia da cozinha enquanto ela lava os pratos do jantar de natal. Quero dizer que o apelo inconsciente para muitos dos fetiches masculinos é a querida mamãe, aquela da infância que CUIDA de tudo e que remete à pureza cheia de inocência.

Mulheres, não se ofendam com essa revelação. Homens não se enojem ou lutem com isso, com desejo não precisamos nos debater.

Broxei muita gente? Espero que não… kkkkk

Mas tenho dó do filho da Solange Frazão, isso eu tenho.

 

Orgasmo é coisa de louco

Posted by FredMattos in Comportamento, Sexo on 14-04-2012

Tags:

Adoramos ter controle de tudo. Do momento em que acordamos e resistimos a levantar até o jeito durão de não relaxar e dormir no fim do dia.
Mas existe algo que está completamente fora de nosso controle e que temos uma relação estranha: o orgasmo.

Ele é como uma ventania, não vem quando você quer e quando menos espera ele surge.

Não avisa quando chega e nem quando vai embora e na hora que passa deixa um estrago bom.

Sabe aquela espreguiçada gostosa que nunca quer que acabe?

No entanto, há um fascínio temeroso com o orgasmo exatamente porque nos tira do eixo e deixa com vontade de quero mais. E um pouco mais e mais ainda e além da conta, e um chorinho, e bis, e repeteco. Quanta delícia!

Quem quer parar?

E é disso que temos medo, como em tudo na vida, de até saber a hora de parar, mas não conseguir.

E para não sair plenamente do controle nós não nos jogamos para valer. Achamos que fazemos isso por conta de gemidos ou aquele relaxamento pós-orgasmo, mas no fundo se ficar atento perceberá algum músculo retraído ou uma tensão que não foi liberada ou um sussurro que engasgou tímido.
Na cama e fora dela é assim.

O orgasmo pleno não é necessariamente um show de urros e socos na cama, mas uma sensação de libertação física e psicológica que causa profunda sensação de paz e fluidez.

Nessa hora que as preliminares fazem toda a diferença para deixar o corpo toralmente relaxado.

Esquecer um pouco as normas e recomendações daquela tia velha encalhada ajuda, mas acima de tudo saiba que sexo é um prazer que traz felicidade real e que você pode usufruir sem moderação.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...